Inicio » , , , , , » Egito: Saqqara e a primeira pirâmide egípcia

Egito: Saqqara e a primeira pirâmide egípcia

Uma necrópole dos primórdios da civilização egípcia


Nós até hoje cultivamos traços da civilização egípcia, principalmente no costume cerimonial dos nossos cemitérios, onde aquelas pessoas/famílias que tem certa condição financeira em vida preparam jazigos para o sepultamento após a morte. Saqqara foi um grandes cemitério do primórdio da civilização egípcia, um dos primeiros do mundo, e que talvez tenha difundido essa cultura. 


COMO CHEGAR?

Contratei um táxi no hotel (550 EGP) para rodar por Mênphis, Dahshur e terminei o dia chegando em Saqqara. Do Museu de Memphis até Saqqara a distância é de 5 km, porém é melhor seguir primeiro para Dahshur (10 km) e deixar o final do tour para Saqqara, com mais calma, pois tem muito mais coisas para se ver por lá. De Gizé é possível ir de ônibus da linha 330 para o vilarejo de Saqqara (cerca de 25 km).

É possível ver os tuk tuk nos povoados ao redor do Cairo, como esse com a bandeira do Brasil


SAQQARA CENTRAL

O complexo de Saqqara é imenso, algo para ser explorado em um dia inteiro, mas a sua parte principal está no centro na necrópole, onde fica a pirâmide escalonada do faraó Djoser. Aberto para visitação diariamente de 8h00 às 17h00 (ou 7h00 às 19h00, de 1 de maio ao Ramadã). 

Os guardiões da bilheteria de Saqqara aproveitando a sombra que resta


O ingresso custava 80 EGP (agosto 2014) e inclui o acesso a vários pontos do complexo: Pirâmide de Djoser, Pirâmide de Unas, Tumba de Mereruka, Tumba de Kagemni, Mastaba de Ti, Tumba de Inefrt, Tumba de Unas-Ankh, Tumba de Ptahhotep, a pirâmide inacabada, Ruínas do Monastério de São Jeremias (época em que o cristianismo iniciou no Egito), Pirâmide de Teti I e o Museu de Imhotep. No final deste post existe um mapa geral para se ter noção de tudo.


Entrada no complexo de Djoser


Saqqara foi a necrópole da cidade de Memphis, sendo uma das mais antigas do Egito, onde os grandes faraós das primeiras dinastias foram sepultados, juntamente com a cidade de Abydos. Também seria o local onde teria surgido as primeiras pirâmides.

A entrada no complexo de Djoser é feito através de uma sala de colunas



Por algum motivo foi feito um "puxadinho" com a colunada


PIRÂMIDE DE DJOSER, A PRIMEIRA

Djoser foi um faraó da Terceira Dinastia que teria inaugurado a tradição de sepultar os governantes na área de Saqqara. Antes disso, a maioria era enterrada em Abydos. Além disso, ele teria revolucionado a forma das tumbas, construindo a sua mataba (sepultura em formato quadrado que era o costume até então) em formato da pirâmide de degraus, seria como uma mastaba sobre a outra, se escalonando. 

Construída em pedra calcária com 62 metros de altura


A construção da primeira pirâmide egípcia traz alguns mistérios. Um deles seria a figura de seu arquiteto, conhecido como Imhotep. Muitas dúvidas ainda cercam essa personalidade venerada em sua época, até mesmo como um mago. Chegou a ser relacionado a Asklepios (deus da medicina) pelos gregos e até mesmo ao esotérico Hermes Trimegisto.

Apesar da necessidade de reparos, a mais antiga pirâmide ainda está de pé


É impressionante perceber a semelhança das primeiras pirâmides do Egito com as pirâmides das civilizações mesoamericanas. Os maias, por exemplo, seguiam a tradição de construção de pirâmides da mesma forma, e não se sabe como isso foi herdado. Coincidência? Alguns estudiosos do assunto acreditam que isso é a prova de que houve uma civilização em comum entre os dois povos, talvez a lendária Atlântida. Como a arqueologia acadêmica nega essa explicação e não apresenta outra aceitável, o mistério vai continuar...

A pirâmide escalonada de Saqqara teria sido a primeira pirâmide do Egito


Pirâmide escalonada de Chichén Itzá (México, 2016)


PIRÂMIDE DE UNAS

Caminhando alguns metros da Pirâmide de Djoser está a pirâmide em ruínas do faraó Unas (2375 - 2345 a.C.). No sul da pirâmide ainda restam partes da parede original com relevos hieroglíficos. Arqueólogos encontraram inscrições que acreditam ter linhas de um dialeto semita na escrita egípcia e que compreende as primeiras evidências de língua semítica escrita.

Ao lado do complexo de Djoser esté a pirâmide do Rei Unas


De acordo com os achados nessa pirâmide, Unas foi o primeiro faraó a incluir inscrições funerárias em sua tumba, criando esse conceito de se ter palavras de magia inscritas para ajudar com a viagem através do Duat (submundo) e para a vida futura. A prática foi tão bem sucedida que logo evoluiu até chegar no Livro dos Mortos Egípcio.

As primeiras inscrições funerárias surgiram nesta pirâmide


Chegou a medir 43 metros de altura quando estava "inteira"


A pirâmide se encontra em péssimas condições de conservação


COMPLEXO FUNERÁRIO

Eu acabei descobrindo que para explorar todo o complexo de Saqqara teria que reservar um dia completo talvez. A área total da necrópole tem mais de 6 km de comprimento e 1,5 km de largura.  

Existem várias tumbas e mastabas, algumas abertas à visitação


Tumbas que hoje se encontram enterradas a vários metros abaixo do solo


Eu não sei se o problema estava em Saqqara ou na minha paciência com o assédio dos egípcios aos turistas que era demais, quase equiparado a cidade de Luxor no quesito "chatisse". Quando eu estava explorando o pátio em frente à pirâmide escalonada, um egípcio se aproximou vendendo um passeio de camelo. Eu agradeci e dispensei, e pronto! começou a insistência: "talvez mais tarde? talvez amanhã?". 19 dias ouvindo isso é para testar o limite de paciência de qualquer um...

Alguns vendedores de passeio de camelo ficam na área para tirar a paz dos turistas


Quando eu estava começando a ir na direção das tumbas, surgiu um outro egípcio a uns 100 metros de distância e gritava apontando para uma tumba: - Amico, amico, it´s magnifique! Outro que queria insistir num serviço de guia não solicitado. Conseguiu falar uns 3 idiomas e tirar minha paciência à distância. Virei as costas e tomei outro rumo. Mais tarde, um grupo de turistas franceses foi na direção dele e acabou caindo na rede. Em meio a essa chateação de assédio desenfreado que os turistas acabam passando se estiverem sozinhos como eu, consegui aos poucos explorar as tumbas e outros detalhes interessantes encontrados pelo lugar que não parece estar estruturado para o turismo. Ainda parece um sítio arqueológico abandonado em certas partes.

Tumbas que usam a simbologia das serpentes. Poderiam representar o conhecimento


Pedras de granito vermelho de Aswan com inscrições funerárias


Buraco cavado na rocha, perfeitamente quadrangular


O lixo jogado em algumas tumbas evidencia o mau cuidado do local


Mais lixo, talvez acumulado de anos...


Cortes nas rochas, provavelmente partes de uma elaborada tumba


Parte de encaixe na pedra talhada com perfeição


Tumbas ainda cobertas pela areia do deserto


Caminho para as tumbas de Inefrt e de Unas-Ankh (filho do rei Unas)


Ao fundo, as pirâmides de Dahshur


DE VOLTA AO CAIRO

Depois de passar pelo Museu de Memphis, seguir até as pirâmides de Dahshur e voltar por Saqqara, o passeio estava terminado. Durante o retorno para meu hotel em Gizé, o taxista insistiu para me levar até uma loja que ele conhecia o dono. "Muito barato"!, dizia ele. Essa é uma prática comum no Egito, os taxistas sempre vão dizer que conhecem um lugar mais barato que o convencional para atrair clientes para algum amigo e receber sua comissão com isso. Eu até fui para não fazer desfeita, mas dificilmente vou ceder ao consumismo.

Loja de artesanato para turistas


MAPAS

Mapa da área central de Saqqara (clique para ampliar)


Mapa de todo o complexo de Saqqara (clique para ampliar)


CUSTOS (agosto 2016)

- Entrada em Saqqara - 80 EGP
- Estacionamento - 2 EGP


MEU ROTEIRO

Anterior: DAHSHUR

Roteiro completo: MISSÃO EGITO

Próximo: COMUNIDADE COPTA


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações