Inicio » , , , , , , , , » Grécia: Thera Antiga, uma travessia arqueológica em Santorini

Grécia: Thera Antiga, uma travessia arqueológica em Santorini

A travessia da praia de Kamari até Perissa, passando pelas ruínas arqueológicas de Thera


Uma das atrações da ilha de Santorini que não é muito conhecida e muito menos procurada. Thera foi uma cidade próspera fundada por colonos dóricos de Esparta e existiu entre 9 a.C. e 726 d.C. Hoje só restam ruínas localizadas no alto de uma colina. Para chegar na porta do sítio arqueológico, há uma estrada asfaltada que sobe a montanha, mas para subir com emoção, o melhor é encarar uma trilha que liga as praias de Kamari e Perissa através das montanhas.


COMO CHEGAR?


A aventura começa da praia de Kamari. Existem ônibus regulares a partir da cidade de Fira. Quando o ônibus entra na área urbana de Kamari, passa em frente uma igrejinha e, antes de fazer uma curva a esquerda está a placa de início da caminhada. Basta pedir para o motorista parar no caminho para "Ancient Thera". O custo da passagem é 1,60 euros (abril 2015).

Tabela de horários do ônibus Fira x Kamari


Placa indicando a direção do sítio arqueológico e seus horários


INÍCIO DA CAMINHADA EM KAMARI

Subindo a estrada na direção indicada da placa, a caminhada segue pelo asfalto até uma pequena praça. Lá, outra placa aponta para o início da trilha na montanha, ainda possui um mapa para a localização. Ali é o começo da subida íngreme.

Casas de veraneio na área urbana de Kamari


Placa explicativa que indica o início da trilha para a travessia


O início do caminho é ainda fácil


E eis que encontro uma marca brasileira... pois é...


A distância total não passa de 4,6 Km para a travessia completa, sendo a duração média de 50 min de caminhada até Thera Antiga e 1 hora e 25 min para a travessia completa até a praia de Perissa. Lógico que esse tempo foi maior pois parei em vários pontos para aproveitar a vista incrível que havia.

Do alto, é possível ter a visão das casas de Kamari de outro ângulo


A trilha para a subida é um antigo caminho de pedras


Algo que observei nos paredões de rocha pelo caminho são pistas de escalada com plaquetas indicativas e grampo de segurança. Para quem gosta de escalada e não pretende fazer a travessia, é um local de diversão garantida. Percebi umas duas pistas assim.

Rota para escalada vertical


Apesar de pouco turística, esta trilha proporciona belas paisagens de Santorini


Em certo ponto a trilha passa por uma capela branca ao lado de uma gruta. Ali é um ponto da antiga nascente onde nasce o único rio de água doce da ilha. Lá dentro da gruta, uma família fazia uma espécie de pique nique. Outro membro da família colhia ramos de uma planta na encosta da colina, parecia uma espécie de orégano.

Gruta e capela no caminho da trilha


Indivíduo subindo pela encosta para os arrancar ramos


Quanto mais alto, mais sensacional a vista de Kamari


O TOPO DA MONTANHA

Depois de subir a primeira subida pela trilha se chega na parte alta da colina Mesa Vouno, mas esta ainda não é a chegada no sítio arqueológico de Thera Antiga. Lá de cima já é possível ter a visão de toda a localidade de Kamari. A partir deste ponto a subida continua pelo asfalto... calma, falta pouco para chegar!

Vale uma parada para descanso e para contemplar a vista da localidade de Kamari


Na encosta da colina existem diversas ruínas que podem ser observadas de cima


O contraste das casas claras, areia escura e o mar (bastante) azul!


Estrada (em zig zag) para Thera Antiga. Passa ao lado da trilha


TUMBAS PELO CAMINHO

No caminho é possível observar curiosos entalhes nas rochas. Eram tumbas de pessoas colocadas no caminho da Thera e que hoje só restaram as marcas dos altares. Os cemitérios foram escavados por N. Zapheiropoulos entre os anos de 1961 e 1982.

Vestígio de altares talhados na rocha


Curioso corte quadrangular


Alguns metros acima se chega na área de estacionamento do sítio arqueológico. Nesse ponto já é possível ter uma vista sensacional de Santorini, incluindo o aeroporto da ilha.

Vista do norte da ilha de Santorini


Aeroporto de Santorini


O SÍTIO ARQUEOLÓGICO DE THERA ANTIGA

Depois da erupção vulcânica no século 17 a.C. que enterrou a cidade de Akrotiri nas cinzas, a ilha permaneceu deserta por centenas de anos. No início do século 8 a.C., colonos dóricos de Esparta liderados por Theras se estabeleceram na ilha e fundaram a cidade que levou o seu nome em uma colina estrategicamente situada, naturalmente fortificada e com vista para o mar. 

Ruínas da igreja de Agios Stefanos (São Estefano) construída no período bizantino


A cidade  foi edificada no alto da colina Mesa Vouno (396 metros acima do nível do mar) 


O sítio arqueológico de Thera Antiga pode ser visitado de acordo com os seguintes horários de funcionamento:
- Inverno (1 de novembro a 31 de abril): terça a domindo, de 8h00 às 15h00
- Verão (1 de abril a 31 de outubro): 8h00 às 15h00
- Segunda-feira: fechado
Entrada: 2 euros

A posição da cidade é estratégica e lhe dá comandamento de todo o litoral ao redor


Atualmente, as invasões são feitas apenas pelos pacíficos turistas


TEMENOS DE ARTEMIDOROS

O Temenos foi criado em 3 a.C. pelo sacerdote Artemidoros de Apollonios quando foi passar sua velhice em Thera, motivado por um sonho que teve. Por ter feito santuários e embelezado a cidade, ele foi nomeado cidadão de Thera e homenageado com coroas de oliveira. No templo, da direita para a esquerda, estão 3 degraus com inscrições em honra à Hecate e Priapos, os altares de Dioskouroi, Omonoia e os deuses da Samotrácia, a águia de Zeus Olímpico, o leão de Apollo Stephanephoros, o trono da deusa Tyche na frente e os golfinhos de Poseidon Pelagios. 

Ruínas santuário Temenos 


O leão de Apollo Stephanephoros


A águia de Zeus Olímpico


O conjunto é finalizado com o retrato de Artemidoros, sendo retratado com uma coroa de flores. Na inscrição em volta, ele expressa o desejo de que o seu nome permanecesse imortal na eternidade.

O auto retrato de Artemidoros com uma coroa de oliveiras


AS RUÍNAS DE THERA

As ruínas são compostas de templos como o de Apolo Karneios, heroa, edifícios públicos, teatro, Agora, etc., tudo com um excelente sistema de drenagem. A área residencial e a maior parte dos cemitérios foram escavados por arqueólogos alemães entre 1895 e 1902.

O vento forte do topo da colina causou este efeito nas árvores


As paredes de pedra marcam a posição das antigas construções


Detalhes arquitetônicos sugerem a beleza do lugar no passado


O que restou das belas colunas


As escadas de pedra ainda permanecem ligando as ruas da cidade


A paisagem de Thera Antiga vale qualquer esforço para explora-la 


Algumas colunas permanecem de pé depois de mais de 2.000 anos 


As flores cobrem as ruínas do que já foi uma civilização próspera


SANTUÁRIO DOS DEUSES EGÍPCIOS

Outro santuário existente nas ruínas de Thera é aquele dedicado aos deuses egípcios. Durante o período helênico, houve receptividade a novos deuses, cultos e adoração a divindades orientais e egípcias que se espalhou no território grego. Em Thera, os deuses egípcios Serapis, Ísis e Anubis foram aceitos em 3 a.C. e seu culto foi rapidamente integrado na vida religiosa pública e privada dos habitantes da ilha. Hoje, ainda restam vestígios dos nichos para oferendas de um lado e um banco para a colocação de estátuas de culto no outro.

Nas ruínas do santuário estão degraus talhados nas rocha


Nichos cortados na rocha para, supostamente, a colocação de oferendas


Ao explorar as ruínas deste santuário de Thera, lembrei de algo bem parecido que eu havia encontrado em outro lado do mundo: El Fuerte, localizado em Samaipata, na Bolívia. O significado das ruínas bolivianas são um mistério até hoje, mas a sua semelhança no estilo com o santuário de Thera é surpreendente. Teria alguma ligação entre as civilizações de Thera e da Bolívia?

Degraus também talhados na rocha em Samaipata, Bolívia (foto 2013), como em Thera 


Nichos até hoje não desvendados em El Fuerte, em Samaipata (foto 2013)


A DESCIDA 

A próxima etapa é uma descida pela trilha até a praia de Perissa. O caminho é menos íngreme do que a subida, mas cheio de pedrinhas soltas. A vista... bem... a vista continua sensacional! Outra coisa interessante é observar as tumbas talhadas nas rochas ao longo do caminho.

Rochas talhadas que já serviram como tumbas


Tumba de criança ou local de oferenda?


Uma caverna vista do alto da colina


A descida segue com uma vista espetacular da praia de Perissa


A encosta da montanha é tomada de pedras que fazem um belo efeito visual 


Chegada na entrada da trilha pelo lado de Perissa


CHEGADA EM PERISSA

Perissa é uma das praias com melhor estrutura turística de Santorini, com diversos quiosques e restaurantes. Outra coisa que a faz diferente das demais é a sua "black sand" ou areia negra, cuja coloração é originária das rochas vulcânicas pretas. Perto do local de acesso às areias está o ponto de ônibus que faz o percurso até Fira e custa 2,20 euros. Depois de relaxar após o trekking observando aquela bela paisagem, retornei para dar continuidade à próxima aventura.

Perissa é uma charmosa vila litorânea de Santorini


Acesso à praia e local de parada dos ônibus para Fira


O paraíso de areias negras para encerrar bem a aventura do dia


MAPA DE THERA ANTIGA



MEU ROTEIRO

Anterior: OIA

Roteiro completo: MISSÃO GRÉCIA

Próximo: CRETA


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações