Grécia: A Praia de Bali em Creta

Não é só na Indonésia que existe uma praia com esse nome

Apesar de ter o mesmo nome de uma praia famosa na Indonésia, esta Bali fica do lado oposto do mundo, na ilha grega de Creta. É uma praia ideal para a família e férias românticas. As águas são calmas, adequadas para crianças. Apesar de não ser um mega paraíso como muitas outras praias das ilhas gregas, Bali se destaca por ser bem organizada em sua orla, com boas opções de entretenimento e hospedagem.


COMO CHEGAR?

A praia de Bali está localizada no litoral norte de Creta, distante 33 Km de Rethimno e 52 Km de Heraklion, situada entre as 2 cidades. Existem ônibus regulares da empresa KTEL que ligam Heraklion-Rethimno e deixam o passageiro na estrada em frente a praia. A passagem custa 4,90 euros. Veja abaixo a tabela de horários de ida e volta (segunda e quarta linha) da linha de ônibus: 

Os horários de ida estão na segunda linha e os de volta na quarta linha


Embarquei no terminal de ônibus de Heraklion, localizado ao lado do porto, e a viagem durou cerca de  50 min até a chegada em Bali. O ônibus não entra na cidade, mas pára num ponto no meio da estrada. Depois é só descer e caminhar uns 10 minutos até a praia.

Estradas sinuosas beiram as margens montanhosas de Creta


Uma placa de Bali dá as boas vindas perto do ponto de ônibus


A estrada fica num nível mais alto e já é possível ver a praia


O LITORAL DE BALI

Bali possui quatro praias, divididas por encostas rochosas que formam enseadas de areia com águas esverdeadas e agradáveis. Além disso, a água é limpa por causa das várias nascentes que transportam água doce ao mar a partir das montanhas.

As casas e hotéis de Bali ficam na encosta montanhosa


Bali no período romano era conhecida como Astele que funcionava como porto da cidade de Oaxos


O clima naquele dia de final de abril estava frio e nublado. Não era dia para pegar um "bronze", então o jeito era aproveitar a calma do lugar nessa baixa temporada.

O clima não estava para praia


Praias calmas e boas para descansar


COMES E BEBES

O dia estava fechado mas não estava perdido. Por ter uma boa estrutura de bares e restaurantes, parei para almoçar e tomar uma bebida observando o mar e as areias vazias. Um lugar paradisíaco e recomendado é o Bar-Restaurante Golden Sun. A especialidade são os frutos do mar, mas eu comi macarrão mesmo. Os preços são bem menores que nos cardápios de Atenas, por exemplo.

O bar e restaurante Golden Sun estava vazio, logo o atendimento foi rápido


Essa imagem te faz imaginar o paraíso


Nas mesas a beira mar a visão é privilegiada


STAND UP PADDLE

Depois de me acertar no confortável restaurante e ficar de barriga cheia, encontrei um meio divertido para aproveitar a praia naquele dia frio. A prática de stand up paddle é comum na praia de Bali e, mesmo no meu caso que evitei me molhar na água gelada, foi bastante divertido assistir. Quem sabe um dia eu pratico num dia mais quente, quem sabe...

O grupo de pessoas inicia seus preparativos para encarar a água fria


A mulherada toma a frente e o remo


A bela paisagem rochosa é o cenário perfeito para o esporte


Mas o mar não está para peixe, nem para praticante de stand up paddle


O vento causou algumas ondas malignas e o resultado é vexatório 


RETORNO PARA HERAKLION

Para pegar o ônibus de volta a Heraklion basta esperar na estrada do lado contrário ao ponto de desembarque. Respeitando os horários da tabela acima (na quarta linha), deve-se somar uns 30 min ao horário de saída de Rethimno para saber a hora aproximada que o ônibus passa na estrada de Bali. Aquele era o fim da minha aventura por Creta, na verdade, era a minha despedida da Grécia.

E assim terminava a última exploração na Grécia...


MEU ROTEIRO

Anterior: FESTOS

Roteiro completo: MISSÃO GRÉCIA

Próximo: RETORNO POR PARIS


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações