Itália: Nervi, o outro lado belo de Gênova

Um calçadão que homenageia a brasileira Anita Garibaldi

Para fechar o passeio por Gênova pretendia chegar num bonito local afastado do centro histórico. A Passegiata Anita Garibaldi fica ao sul da cidade, no bairro de Nervi, e possui cerca de 2 Km de pista para passeio a beiramar.


PASSEGIATA ANITA GARIBALDI

Para chegar lá, procurei comprar a passagem do trem regional para a Estação de Nervi, bem ao lado desse passeio. Descobri que não se vendia nas máquinas automáticas da Trenitalia. Para comprar o ticket só nas bancas de jornais, dentro da Estação de Gênova existe uma. A passagem custou 1,60 euros na ocasião (só ida). O embarque regional geralmente acontece na Estação Genova Piazza Principe Sotterranea, fica na mesma estação da Piazza Principe mas em plataformas subterrâneas. Outra opção é o ônibus 517 que deixa em frente ao parque de Nervi.

Estação de trem subterrânea de Gênova


Chegando em Nervi e saindo da estação é só seguir em direção ao mar e se chega na Passegiata Anita Garibaldi. Fui pelo caminho da esquerda e logo no início encontrei um restaurante com nome barasileiro, o Restaurante Senhor do Bonfim, com um cardápio em homenagem às cidades brasibeiras, com direito aos sanduíches Bonfim, Porto Seguro e Salvador “de” Bahia e os pratos Rio de Janeiro, Fortaleza, Brasília, “San Paolo”, Belo Horizonte e Boa Vista.

Ao desembarcar e sair da estação, existe uma passagem pela esquerda, por baixo da linha de trem


Um daqueles lugares para sentar e contemplar o horizonte


A caminhada vem de um antigo caminho que foi utilizado por pescadores e agricultores na fronteira com o mar


Para minha surpresa, lá havia uma marca brasileira: Restaurante Senhor do Bonfim


Um cardápio de sanduíches com nomes como Rio de Janeiro, Brasília e Salvador "de" Bahia


Trecho da Passegiata Anita Garibaldi 


O caminho segue beirando o paredão de rochas a beira mar


Nem precisa falar que a encosta rochosa e o pôr-do-sol fazem uma mistura perfeita nesse lugar. Outra atração no lugar é a Torre Gropallo, nome em homenagem ao idealizador da Passegiata e que a adquiriu na metade do século XIX.

São cerca de 2 Km de caminho


As águas transparentes formam piscinas naturais abaixo do passeio


Acesso ao mar através de escadas, agora fechadas por razões de segurança


Vista de algumas casas e construções feitas nas mesmas rochas


Uma curiosidade é que Anita Garibaldi, que dá nome ao passeio, é uma brasileira nascida na cidade de Laguna-SC. Sim, foi companheira de Giuseppe Garibaldi desde que o conheceu na Guerra dos Farrapos e permaneceram juntos até o final da vida dela, seguindo Garibaldi em suas campanhas por Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Uruguai e Itália, até morrer por motivos de saúde em pleno combate após a invasão franco-austríaca de Roma, em 1849, enquanto fugiam de San Marino. Seu corpo se encontra sepultado em um monumento no Janículo, uma colina na parte ocidental de Roma.

Figura solitária praticando stand up paddle


Vista de cartão postal é o que não falta na Itália


Fim de tarde no passeio de Nervi


No final, vale uma passada no Parchi di Nervi, que na verdade é um conjunto de jardins nominados Parco Villa Gropallo, Parco Villa Serra, Parco Villa Grimaldi, etc.


Jardins e casarões históricos no parque


Mapa do Parque de Nervi encontrado na entrada


PARTIDA PARA TURIM

Ao retornar para o centro, peguei minha mochila que deixei no Hotel Bernheof e embarquei num trem para o meu próximo destino.

Leia mais em: Turim.

Retorno de Nervi de trem com a vista para o mar


MEU ROTEIRO

Anterior: GÊNOVA

Roteiro completo: MISSÃO ITÁLIA

Próximo: TURIM


Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações