Chapada Diamantina: Dicas e custos

Informações para planejamento de viagem 


Vou deixar aqui a minha opinião sobre as coisas que observei, analisei, vivenciei e me surpreendi num contexto geral sobre a viagem à Chapada Diamantina. Foram praticamente 9 dias (8 na Chapada) andando pelos mais diferentes locais. Não conheci tudo, mas acho que foi o suficiente para chegar às conclusões que cheguei.


DICAS GERAIS SOBRE A CHAPADA DIAMANTINA

1) CARONAS - As pessoas dão carona sim nas estradas próximas, principalmente os habitantes da região. É lógico que você deve ser paciente e escolher o lugar certo. A maioria das estradas é estreita, impedindo que o motorista pare sem afetar a segurança;

2)  ÁGUA - Não se assuste com a cor da água, o aspecto escuro é normal devido ao ferro existente no líquido. Bebi água das fontes naturas e, mesmo com cor de mate, não me fez mal. Se você tem o estômago mais sensível pode sentir alguma reação, mas pela quantidade de ferro existente. Para cercar a zebra, sempre que podia eu colocava purificador tipo Clorin;

3) CHUVA - Na época que fui (dezembro) era certo: chuva todo dia que começava de madrugada e acabava às 8h00. Depois o céu abria e fazia sol. Poucas vezes choveu rápido à tarde;

4) ALIMENTAÇÃO - O custo de vida no interior da Bahia é baixo, mas os restaurantes e produtos industrializados são altos para turistas, como resolver isso? Aprenda a observar que existem restaurantes e mercadinhos populares em cada cidade, logicamente não estão nos principais pontos turísticos. Ande pelas ruas e procure esses locais, as cidades são bem pequenas e isso não é difícil de fazer.


DICAS SOBRE AS TRILHAS


1) GPS - Não tinha como não citar essa dica em primeiro lugar. Se você deseja fazer as trilhas por conta própria, sem gastar nada com guias ou agências, obtenha um GPS e aprenda a usá-lo antes. Meu GPS me levou para todos os destinos, mesmo aqueles que eu perdi a trilha. Eu pesquiso antes no Google ou no site Wikiloc a disponibilidade para download dos trajetos que eu planejo fazer. Ah, leve pilhas reservas e só mantenha o GPS ligado quando o percurso gerar dúvida, assim se economiza bateria; 



2) GUIAS - Bem, eu não gosto de fazer passeios guiados que acabam te fazendo seguir o ritmo do guia, prefiro fazer no meu tempo, do meu jeito e com a adrenalina que a descoberta causa. Mas se você se sente mais seguro contratando um guia, a minha dica para economizar é baseada em algo que observei conversando com as pessoas. Praticamente todos os habitantes da Chapada conhecem alguém que trabalha como guia turístico, essa é a principal atividade econômica da região. Ao invés de buscar agências que cobram caro, tente se informar com pessoas que não trabalham diretamente com o turismo. Seja um atendente de restaurante, de boteco, de supermercado, etc. A maioria possui um parente que trabalha como guia;

3) RAPADURA - A energia boa, barata e natural para manter o corpo em condições de enfrentar o cansaço. Com apenas R$ 2 eu tive uma reserva energética que durou os 8 dias de aventura. Outra vantagem é que a rapadura não estraga e pode ser armazenada por um longo período;



4) PROTETOR SOLAR - Essa dica vale para qualquer situação na vida sempre que passamos muito tempo expostos ao sol, mas vou reforçar aqui. Mesmo passando protetor no corpo, fiquei bem queimado. A intensidade dos raios UV é forte naquela área e a ausência da árvores altas na vegetação deixam sua pele mais exposta;

5) CALÇA E BOTA - Para fazer a travessia é seguro estar de calça e bota (se possível cano longo). A área da Chapada Diamantina existe muita cobra e exfiltrar alguém picado por uma do meio do Parque até chegar num hospital não é nada fácil;

6) ITENS ESSENCIAIS - Para fazer a loucura de atravessar a área desabitada da Chapada Diamantina como eu fiz, você tem que levar, no mínimo (além dos itens que já citei acima), uma barraca + isolante térmico e comida para 3 dias. Outros itens não tão essenciais para sobreviver, mas úteis, são: poncho, saco de dormir, 01 conjunto de roupa de frio (casaco e calça), garrafa d´água, kit higiene e kit primeiros socorros;

7) TRILHA SOBRE PEDRAS - Essa dica não é específica para a Chapada Diamantina mas para qualquer trilha que passa por piso de pedra. A maior dificuldade de se acompanhar as trilhas é quando elas passam por grandes lajes de pedra. Diferente da terra, areia ou do mato, a marca deixada pelas pisadas não é tão nítida. Aprenda a observar que nos locais onde as trilhas passam a pedra fica mais clara.


CUSTOS

Esses são os gastos da viagem no mês de dezembro de 2014:

- Passagem para Rio x Salvador (ida/volta) - R$ 801,94
- Passagem ônibus para Palmeiras - R$ 67,36
- Passagem de ônibus Lençóis/Salvador - R$ 63,19
- Ônibus Aeroporto x Praça da Sé (Salvador) - R$ 2,80
- Taxa de Embarque (Rodoviária de Salvador) - R$ 1,50
- Lanche no Subway - R$ 8,25
- Salgados para a viagem - R$ 9,30
- Kombi para o Vale do Capão - R$ 10,00
- Camping Lakshimi - R$ 15,00
- Compras no mercadinho - R$ 8,00
- Doação para a Associação de Guias - R$ 10,00
- Jantar (Vale do Capão) - R$ 19,00
- Camping Igrejinha - R$ 15,00
- Hospedagem Jardim do Éden (Mucugê) - (2x) 30,00 = R$ 60,00
- Jantar buffet livre (Mucugê) - R$ 34,00
- Palma de bananas - R$ 2,00
- Jantar (frango assado + suco de morando) - R$ 15,00
- Van para a entrada de Igatu - R$ 5,00
- Camping Hostel Igatu - R$ 15,00
- Visita à Gruna - R$ 10,00
- Pizza da Maura - R$ 45,00
- Água mineral 1,5L (Igatu) - R$ 4,00
- Água mineral 1,5L (Andaraí) - R$ 3,00
- 2 salgados + 2 pães de queijo - R$ 6,00
- Passagem de ônibus para Tanquinho - R$ 9,00
- Táxi lotação para Lençóis - R$ 5,00
- Camping Lençóis - R$ 20,00
- Café da manhã (Yogurte/biscoito/água) - R$ 9,80
- Almoço Restaurante Genipapo (Lençóis) - R$ 15,00
- Ônibus para o aeroporto (salvador) - R$ 2,80

TOTAL =  R$ 1.291,94

OBS.: Sem as passagens aéreas, o custo foi de R$ 490,00 para 9 dias de viagem, média de R$ 54,45 por dia.



MEU ROTEIRO


Anterior: LENÇÓIS

Roteiro completo: MISSÃO CHAPADA DIAMANTINA




Para seguir a FANPAGE no Facebook, clique aqui.

 

Para acessar o GRUPO no Facebook, clique aqui.




9 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ameii😍😍 Obrigado pelo post super bem explicado!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, fico abismada como as pessoas têm dificuldades em dizer ''valores'', esse foi o único post até agora, desde que comecei a pesquisar para viajar á chapada que alguém citou os valores gastos na viagem. Parabéns! Super indico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! A ideia de criar esse blog foram as dificuldades que tive durante os planejamentos de viagem. Procuro detalhar para ajudar quem pretende se aventurar. Compartilhe para divulgar a informação.

      Excluir
  4. Parabéns pelo blog. Ficarei 10 dias na Chapada em fevereiro suas dicas vão me ajudar muito. Muito obrigada!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Show de informações. Serão muito úteis, pesquisei um pouco e os caras cobram muito caro em tudo. Um estadia de 7 dias, fica aproximadamente 4.000 reais por pessoa.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo blog, muito bem escrito.
    Todas as informações foram úteis para mim, pois eu irei fazer essa travessia sozinho.

    valeu!

    ResponderExcluir

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações