Inicio » » LA PAZ

LA PAZ

A cidade que mudou de lugar


A cidade de La Paz foi fundada em 20 de outubro de 1548 por Don Alonzo de Mendonza, enviado do rei da Espanha. Inicialmente fundada em um outro local a alguns quilômetros, um chefe da igreja cristã o convenceu a estabelecer a sede no vale, onde atualmente se encontra o centro de La Paz. O chefe religioso apresentou três fortes razões para tal mudança, dentre elas o clima e a existência de um rio onde se encontrava ouro com facilidade. Assim, Don Alonzo convecido, refundou La Paz (Nuestra Señora de La Paz), 3 dias depois no atual local. 

EXPLORAÇÃO DE ALTOS E BAIXOS NO CARNAVAL 

Este dia estava reservado para conhecer os principais pontos turísticos de La Paz, mas não deu muito certo: era feriado de carnaval! Locais que estavam no meu roteiro estavam “cerrados”: 

- o Museu da Coca (Calle Linares 906 Tel. +591 2 2311998 - http://www.cocamuseum.com/ Funciona das 10h00 às 18h00, de segunda à sábado); 
 

- o Museu Arqueológico (Calle Tiahuanacu esquina com Federico Suazo número 39 Tel. +591 2311-621 - http://www.bolivian.com/arqueologia); e 


 
- os Museus da Calle Jaen (incluindo o único que eu realmente queria conhecer que era o Museo de Metales Preciosos).


 
Como o meu primeiro destino foi andar até a histórica Calle Jaen, não tão distante do mercado das Bruxas, até descobrir que os museus não funcionavam no feriado, daquele ponto mesmo peguei um táxi para o Mirador Killi Killi, um dos principais mirantes da cidade.
 





Desci o morro do mirante a pé em direção a Plaza Murillo, onde está a Assembléia Legislativa, o Museu Nacional de Arte, a Catedral e o Palácio do Governo, todas construções históricas.
 




Voltando pela Calle Junin, se passa pelo Hotel Torino, um hotel histórico com preço de hostel bastante recomendado por mochileiros, até chegar na Avenida Mariscal Santa Cruz, uma das principais da cidade. Virando para a esquerda vemos o Obelisco de La Paz, continuando pela direira chega-se na Plaza Maior, o ponto central da cidade e onde está a Iglesia de San Francisco. Do lado da igreja está a Calle Sagarnaga, repleta de casas de câmbio, hostels, bares, agências de turismo e lojas de artesanato. Também se encontra nessa rua o Hotel Sagarnaga, um dos mais recomendados por mochileiros.

Subindo a Calle Sagarnaga, cruzei pelas ruas Murillo, Linares (Mercado das Bruxas) e Av. Illampu (onde eu estava hospedado). 
 



UM MERCADO EXÓTICO PARA QUEM TEM ESTÔMAGO 

Se entrar à direita na Calle Linares veremos o Mercado das Bruxas ou o Mercado de las Brujas, em espanhol. Antes de conhecer La Paz eu, achava que o Mercado das Bruxas era um mercadão concentrado em algum tipo de galpão, mas não é, o mercado fica nas ruas mesmo, em barracas, em lojinhas, ao longo da Calle Linares e Santa Cruz. E por que possui esse nome? Porque esses estabelecimentos vendem, além de artesanatos, ingredientes mágicos da crença Aymara. É comum observar pela rua alguns sacerdotes xamãs realizando seus rituais ancestrais. O ingrediente mais exótico é o feto de llama! São usados principalmente quando se vai construir uma casa. O feto é enterrado no terreno da futura construção para trazer prosperidade. 
 





FAST FOOD REGIONAL 

McDonald's? Bob's? Burguer King? Subway? KFC? Isso é para os fracos. Esqueça!!! Para fechar bem o dia comendo BBB (bom, bonito e barato), jantei na cadeia de fast food que só tem aqui nessa terra: o Pollo Rey. Observe os combos nas fotos. Esse fica na esquina da Calle Santa Cruz, em frente a Plaza Mayor. 

 

GASTOS DO DIA 

Táxi para Killi Killi – 15 Bs
Jantar no Pollo Rey – 30 Bs 


MEU ROTEIRO 


Roteiro completo: MISSÃO BOLÍVIA 

Próximo: CHACALTAYA

Comentários
0 Comentários

0 comentários :

Postar um comentário

Anterior Proxima Página inicial

Promoção! Reserve aqui

Booking.com

Se inscreva no canal

Pesquise o seu destino aqui

Booking.com

Notícias de Viagens

Viagens pelo Mundo

Leia Também

Sobre o autor

Sobre o autor
Renan tem 35 anos, é carioca, mochileiro, torcedor do Botafogo, historiador e arqueólogo amador. Gosta de viajar, fazer trilhas, academia, ler sobre a história do mundo e os mistérios da arqueologia, sempre comparando os lados opostos de cada teoria. Cada viagem que faz é fruto de muito planejamento e busca conhecer o máximo de lugares possíveis no curto período que tem disponível. Acredita que a história foi e continua sendo distorcida para beneficiar alguns grupos, e somente explorando a verdade oculta no passado é que se consegue montar o quebra-cabeça do mundo.

Total de visualizações